Sete minutos depois da meia-noite

Um menino de treze anos se prepara, com as fortes figuras da imaginação, para a perda da ligação física com sua mãe que vive a morte. Condenado a uma saudade que, diferente de um cordão umbilical, nunca poderá ser cortada. Ele repara essa dor folheando e experimentando os desenhos feitos por sua mãe até confundir 

Continue lendo