Saber e querer não são suficientes para decidir e agir

Na minha prática como analista junguiano, onde nos últimos 35 anos atendo umas 40 pessoas por semana, constantemente me deparo com a dificuldade da tomada de atitude assertiva, reflexiva, consciente e consequente, alinhada com o íntimo e respeitando, integrativamente, as dimensões familiares, sociais, laborais, espirituais, físicas e amorosas, levando em conta a sombra, os complexos 

Continue lendo

Jung e a Psicopatologia

Porque Jung não estruturou uma teoria psicopatológica própria como fizera Freud? Num perpassar de olhos pelos volumes das obras completas do Jung vemos que ele não escreveu textos dedicados propriamente a uma Psicopatologia analítica, embora fale o tempo todo dos processos psíquicos normais e patológicos e os analise em profundidade, contextualizando-os em enfoques pessoais e coletivos. 

Continue lendo

Como curar um fanático

A leitura de uma obra literária pode nos levar a mergulhar em águas profundas de onde emergem nossas emoções e processos imaginativos que geram um melhor conhecimento da natureza humana. Essa ação nos ajuda a estruturar o pensamento lógico para, em lugar das certezas, construirmos ideias que possam ser alteradas à medida que evoluímos. Fanáticos 

Continue lendo