Significado, Saúde e Adoecimento

 

O cérebro antigo é a base da sobrevivência biológica, o restante é muito plástico e está constantemente fazendo sinapses, ou seja, se modificando, modificando sua estrutura de conformação. Se moldando de acordo com nossas experiências e expectativas.

 

A base mais geral do ser depende do genoma, não podemos negar nossa herança genética, afinal ela determina muito daquilo que trazemos como potencial, e todo o restante depende da estimulação do ambiente e principalmente das emoções/razões do ser. A memória é fundamentalmente emocional.

 

O cérebro funciona com sub-sistemas. Cada cérebro é capaz de perceber de forma particular e única. A plasticidade cerebral nos faz instáveis sempre.

 

A plasticidade cerebral gera economia de espaço, economiza sinapses. Quanto mais se usa o cérebro, mais ele se torna capaz de sinapses.

 

Não existem áreas específicas para as funções, porque elas estão associadas às emoções, ao histórico pessoal. Cada indivíduo constrói a área de atuação cerebral.

A parte antiga do cérebro tem o registro da espécie e trabalha por conta própria, dirigindo o sistema simpático e o parassimpático. É responsável, por exemplo, por necessidades de luta, de fuga, de persecutoriedade, prontidão e   outros, ele põe glicose no organismo para que possamos agir nestes casos e etc.

 

A parte nova do cérebro depende do ambiente, das estimulações que nós vamos receber e das emoções, porém, tudo passa pelo crivo do cérebro antigo: o que é bom para a minha sobrevivência está liberado, e aí a memória é construída.  Quando reconstruímos a memória passamos pelo processo cerebral e aí ela se torna uma realidade, uma experiência própria.

 

MARCADOR SOMÁTICO – o ponto chave é a amigdala (cerebral), córtex pré-frontal ehipotálamo, que são os responsáveis pelas emoções. A amigdala recebe as aferências e distribui para os outros sistemas. O que decide a distribuição, na verdade, é o significado do que a amigdala recebe, e o significado é dado por uma esfera não fisiológica.

 

Quando o marcador somático é acionado surge uma percepção de estresse, diminui o nível de anticorpos, e várias sintomatologias podem aparecer, porque ele aciona o cérebro antigo que é alertado para agir em defesa do organismo, e essa prontidão para a luta, para a fuga, etc. acaba adoecendo o indivíduo.

 

Para mudar o marcador somático é preciso mudar o significado que está impresso nele, ou seja, mudar o cérebro que é plástico e pode mudar toda a atuação.

O marcador somático aciona o organismo para produzir proteínas, essas substâncias são transmitidas às células e aí se instalam as doenças.

 

Os mecanismos de memória são os mesmos para o passado e para o futuro, porque o marcador somático interpreta como agora.

O sistema nervoso conversa com o resto do corpo. A cada duas horas mudamos os receptores das células, por isso eles não são passivos aos neurotransmissores. Daí a importância do significado = sentimento de fundo, que é aquele em que se fica ordinariamente.

 

A terapia pode mudar esse sentimento de fundo, mas nem sempre, a meditação ajuda a atenuar os sintomas, que são os efeitos desse sentimento de fundo, mas só encarando a causa desse sentimento de fundo e mudando seu significado podemos alterá-lo e mudar o genoma das nossas células.

 

Nosso EU é formado pelo soma que se identifica com o corpo biológico, mais a psique que adiciona o fator psíquico, mais o nôus que vem somar aos 2 anteriores a esfera espiritual, e ainda uma quarta esfera que é o Pneuma  que traz a transcendência à nossa existência.

 

Nossos corpos carregam diversas memórias: genética, emocional, transgeracional, etc, herdamos esse pacote e tendemos a repetir o scripte (principalmente nos casos de abandono e abuso e tb na baixa auto-estima, conforme estudos psicológicos). Por que essa tendência de viver papéis herdados?

 

Por que valorizamos sempre a doença em nós e não os aspectos saudáveis? A doença é o aviso, o alerta de que algo não está certo em um, ou vários, de nossos corpos, mas o que promove a cura são os aspectos saudáveis em nós, esses é que devem ser realçados na terapia. O foco tem que estar nobom, no belo e no verdadeiro. Essas esferas do ser que promovem a reação da parte doente rumo a cura. É preciso acionar o nosso corpo de luz, o nosso corpo diamantino, o Pneuma, o sagrado em nós.

 

NOSSO CORPO NÃO É TÚMULO, É TEMPLO.

Please reload

DESTAQUES

Ver mais >

Please reload

DEIXE SEU COMENTÁRIO:

ACESSO RÁPIDO
LOCALIZAÇÃO E CONTATOS

Alameda Bons Ares, 15, Candeal

Salvador - Bahia - Brasil

© 2018  by Instituto Junguiano da Bahia